Oi é condenada a indenizar consumidora por ter criado número de telefone em outra cidade

245

A Oi S/A foi condenada a indenizar uma consumidora por ter criado número de telefone fixo em nome dela em outra cidade. A mulher mora em Campinorte, no interior de Goiás, e a conta foi aberta com seu CPF em Aparecida de Goiânia. O juiz Leonardo Naciff Bezerra, do Juizado Especial Cível de Campinorte, arbitrou o valor de R$ 5 mil, a título de danos morais. O magistrado declarou, ainda, a inexistência do débito e determinou a retirada do nome da consumidora de cadastro de inadimplentes.

Conforme explica o advogado Augustto Guimarães Araújo no pedido, a consumidora descobriu a negativação em seu nome ao tentar fazer um crediário. Ao verificar a procedência do débito, no valor de R$ 128,79, foi informada de que se tratava de dívida junto à Oi. Contudo, a consumidora alega que não possui qualquer relação jurídica com empresa.

Em outra cidade

Além do mais, salientou que a operadora abriu uma conta de telefonia fixa em Aparecida de Goiânia, que fica a aproximadamente 310 quilômetros da cidade onde ela reside. Disse que tentou, por várias vezes, contatar a empresa para solucionar o problema amigavelmente, mas não obteve êxito.

A Oi, por sua vez, alega ter celebrado com consumidora o referido pacto, afirmando a licitude do contrato. Inclusive, mencionou outro serviço que foi prestado a ela. Além disso, que a pessoa que requereu a instalação do serviço de telefonia Fixa forneceu todos os dados e documentos da parte autora.

Contudo, ao analisar o caso, o magistrado disse que o pacto que empresa alega ter sido firmado com a consumidora não restou demonstrado nos autos. Salientou que os extratos de tela apresentados são provas unilaterais, não sendo suficientes para comprovar a existência de contrato entre as partes, que inclusive estão ilegíveis.

Assim, segundo disse, restou clara a alegação da parte autora no sentido de que não há qualquer contrato firmado entre as partes. E não havendo qualquer contrato, eventual inscrição nada mais é do que ato ilícito. O magistrado disse que, como consequência lógica da inexistência do contrato e da ilicitude do ato, não há que se falar em débito e, por isso ele deve ser declarado inexistente. Além disso, também é de ser determinada da negativação.

Danos morais

No tocante ao dano moral, o magistrado explicou que é pacífico na jurisprudência que a inscrição irregular do consumidor em cadastros de crédito enseja indenização pelo abalo a um dos direitos da personalidade. Ou seja, o direito ao nome. “Lembro que também é assente nos tribunais que este dano se dá de forma presumida, não havendo necessidade de prova do real prejuízo. É o que se observa na espécie”, completou.

Informação do Portal Rota Jurídica.

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!