Bradesco é condenado a indenizar em R$ 8 mil consumidora por negativação indevida

A instituição financeira não comprovou a origem do débito. O valor, a título de danos morais, foi arbitrado pelo juiz Murilo Vieira de Faria, do 4º Juizado Especial Cível de Goiânia

142

O Banco Bradesco foi condenado a indenizar em R$ 8 mil uma consumidora por negativação indevida. A instituição financeira não comprovou a origem do débito. O valor, a título de danos morais, foi arbitrado pelo juiz Murilo Vieira de Faria, do 4º Juizado Especial Cível de Goiânia. O magistrado considerou que a consumidora não deu causa à dívida.

A advogada Andreia Bacellar, do escritório Araújo & Bacellar Advogados Associados, explicou no pedido que a consumidora descobriu a negativação ao tentar realizar uma compra. Salientou que ela entrou em conta com o banco, contudo a instituição financeira não soube informar o motivo da negativação.

Desde então, segundo explicou, a consumidora tem vivido um verdadeiro martírio para descobrir a origem da dívida. Além disso, está sofrendo enormes prejuízos e muita angústia. Isso porque o banco não disponibilizou documento para pagamento da suposta dívida, não retirou o nome da consumidora do rol devedores e não apresentou nem um tipo de solução para o caso.

Negativação indevida

Ao analisar o caso, o magistrado disse que a consumidora teve o nome indevidamente negativado por ato do banco, sendo que não deu causa a tal dívida que teria acarretado o feito. Salientou que, a instituição financeira apresentou cópia de contrato de empréstimo, diferentes do inserido em cadastro de devedores, com prestações e valores distintos.

Conforme salientou o juiz, cabia ao banco desconstituir a alegação de inexistência da dívida e motivação da negativação. Contudo, isso não ocorreu. Explicou que, segundo estabelece o art. 373 do CPC, o ônus da prova incumbe ao réu, quanto a existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor.

“Deste modo, restou demonstrado que a parte requerida não apresentou prova de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito da parte autora. Não apresentando o contrato existente, ou algum documento hábil que comprove o vínculo entre as partes”, completou o juiz.

Ressaltou, ainda, que o prejuízo é puramente presumível, porquanto, o envio do nome do consumidor para os órgãos de proteção constitui dano in re ipsa, e tem como consequência a restrição de crédito. Fato que, logicamente, impede o cidadão de exercer seu direito de compra a crédito implicando em abalo a sua honra.

Fonte: Rota Jurídica

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!