Confirmada sentença que proíbe a cobrança de ITU e IPTU antes da entrega de loteamento

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais confirmou sentença de primeiro grau que proibiu a cobrança de ITU e IPTU antes da entrega de loteamento

71

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais confirmou sentença de primeiro grau que proibiu a cobrança de ITU e IPTU antes da entrega de loteamento. Os magistrados seguiram voto do relator, juiz Wild Afonso Ogawa. Em seu voto, ele observou que o comprador em questão não tem a posse do imóvel, assim é incabível a transmissão da obrigação de pagamento dos referidos tributos.

O advogado Sérgio Merola, do escritório Bambirra Merola e Andrade Advogados, explica na inicial do pedido que, em setembro de 2019, o consumidor firmou com uma incorporadora contrato de compromisso de compra e venda de um terreno urbano em Senador Canedo. Ponderara que o comprador foi obrigado a pagar o ITU desde a assinatura do contrato, de forma abusiva. E que, apesar de manter contato com a empreendedora, tentando resolver a situação, fora ignorado, restando procurar a tutela jurisdicional.

A incorporadora do loteamento alegou que o pagamento do ITU está previsto em cláusula contratual. Sendo reconhecida pelo consumidor, que assinou contrato de livre e espontânea vontade, sem abusividade. Disse que o contrato é de alienação fiduciária, ou seja, houve compra e venda definitiva, com transferência de posse. Dessa maneira, por ser o efetivo proprietário do imóvel, deve arcar com o pagamento de seus tributos. Além disso, ser o imóvel regido pela Lei de Loteamentos e não pela Lei de Incorporação Imobiliária.

Contudo, em primeiro grau, o juiz considerou que a transferência da obrigação de pagamento do ITU só se dá/dará com a imissão da promovente. Além disso, declarou a abusividade e consequente nulidade da cláusula contratual que prevê o pagamento dos tributos.

Cobrança de ITU e IPTU

Ao analisar o recurso, o relator salientou que a Lei nº 9.514/1997, que dispõe sobre o Sistema Financeiro Imobiliário, prevê que a obrigação de pagamento dos impostos, taxas e contribuições condominiais só é do devedor fiduciante após a posse. Assim, salientou que a referida cláusula do contrato afigura ser abusiva e iníqua. Isso justamente por contrariar a norma em questão, bem como o CDC, ao colocar o promitente vendedor em vantagem excessiva perante o promitente comprador.

Além disso, o magistrado observou que os tribunais pátrios, recorrentemente, afastam a incidência da cláusula contratual que transfere aos compradores a responsabilidade pela quitação de tributo antes de encontrar-se na posse do imóvel. “Tanto que, em diversas oportunidades, só se tem determinado a mudança da responsabilidade, após o registro no Cartório de Imóveis”, salientou.

Em sua decisão, o juiz relator disse que a posse do promitente comprador não ocorreu, pois não chegou ainda o termo final, a entrega do empreendimento não foi comprovada e o registro do terreno não fora demonstrado. Além disso, o consumidor não detém posse e nem propriedade do imóvel e as benfeitorias e infraestrutura do condomínio do terreno não foram concluídas. Assim, completou que, inexistente a imissão na posse é incabível a transmissão da obrigação de pagamento do ITU/IPTU.

Fonte: Rota Juridica

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!