MP Eleitoral requer cassação de diplomas do prefeito de Luziânia e sua vice por repasse ilegal de recursos

72

O Ministério Público Eleitoral ajuizou, na 19ª Zona Eleitoral, representação por repasses ilícitos de recursos para fins eleitorais contra o prefeito de Luziânia, Diego Vaz Sorgatto, e a vice-prefeita, Ana Lúcia de Sousa e Silva. Entre as irregularidades encontradas está a transferência de recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), destinados ao custeio das candidaturas femininas para campanhas masculinas.

O promotor eleitoral Julimar Alexandro da Silva requereu liminarmente que os representados apresentem toda a arrecadação de campanha, indicando a origem dos valores dos gastos realizados na campanha eleitoral de 2020, devendo apresentar contratos, notas fiscais, recibos eleitorais, extratos bancários referentes às contas abertas, bem como tudo que comprove a aplicação dos valores recebidos por sua campanha, determinando que eles apresentem, ao Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE) do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), todas as informações sobre as arrecadações e gastos de campanha.

O MP Eleitoral requereu também que o prefeito e a vice tenham seus diplomas cassados e, consequentemente, sejam cassados os respectivos mandatos, bem como declarada a inelegibilidade de ambos por oito anos.

As irregularidades
O promotor eleitoral relata que houve a prestação de contas final de Sorgatto e sua vice Ana Lúcia. Parecer técnico conclusivo do TSE constatou a não identificação de doadores originários nas doações de outros prestadores de contas e nas efetuadas a outros prestadores. Segundo Julimar Alexandro da Silva, as doações totalizam R$ 68.440,00, o que representa 5,16% do valor total de despesas contratadas e 11,73% das doações financeiras a outros candidatos ou partidos. Além disso, não registrou doação declarada como recebida pelo beneficiário em sua prestação de contas.

Verificou-se a divergência na doação realizada a terceiro, o que não foi justificado por Sorgatto. Essa irregularidade refere-se ao valor de R$ 61.746,97, o que representa 4,65% do total de despesas contratadas e 10,58% das doações a outros candidatos ou partidos.
Outro ponto destacado no parecer foi a comercialização de bens ou realização de eventos sem prévia comunicação à Justiça Eleitoral, em desacordo com a legislação, o que impossibilitou a sua fiscalização.

“Apesar de ter sido comunicada à Polícia Militar a realização das carreatas no dia 14 de novembro de 2020, não foi feita a comunicação à Justiça Eleitoral prevista em lei e que se refere a eventos cujo objetivo é a arrecadação de recursos”, avalia o promotor eleitoral.
O valor total de gastos com combustíveis foi de R$ 46.297,73; R$ 19.554,09 do FEFC e R$ 26.757,64 de outros recursos, o que representa 3,49% do total de despesas contratadas, 3,37% do FEFC e 4,11% de outros recursos.

Foi apontado ainda que houve repasses irregulares do FEFC a outros candidatos a vereador que não pertenciam ao mesmo partido da candidata a vice-prefeita, totalizando R$ 87.845,88. Consta ainda que o valor repassado de forma contrária à legislação representa 15,12% dos recursos financeiros arrecadados.

Por fim, foram feitos repasses irregulares das verbas FEFC, destinada ao custeio das candidaturas femininas a candidatos do sexo masculino. O parecer indica que Ana Lúcia fez repasses do FEFC a candidatos a vereador do Partido Democratas, do sexo masculino, totalizando R$ 237 mil, o que representa 40,79% dos recursos financeiros arrecadados.

O promotor alerta que verba dessa natureza recebida por ela deveria ser aplicada no interesse de sua campanha ou de outras campanhas femininas, sendo vedado o uso, parcial ou integral, para financiar candidaturas exclusivamente masculinas. “Denota-se que a verba em questão foi utilizada pelos candidatos a vereador para as campanhas eleitorais próprias e em nenhum momento verificou-se que os recursos usados beneficiaram a então candidata ou outras campanhas femininas”, observa. Na representação, o promotor listou diversas outras ilegalidades cometidas, com suas respectivas análises.


Informação do Ministério Publico de Goiás.

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!