UFRJ quer arrecadar R$ 400 mil para comprar terceiro maior meteorito do Brasil

O meteorito Campinorte tem 1,5 metro de largura e 76 centímetros de altura.

910

Formado no mesmo período que o Sistema Solar, há 4,6 bilhões de anos, um meteorito de 1,5 tonelada, o terceiro maior do Brasil, está na mira da Fundação Coppetec, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). O órgão faz uma campanha para arrecadar R$ 400 mil para comprar e transportar o objeto de Campinorte (Goiás), onde caiu há mais mil anos.

Até o momento, a campanha arrecadou R$ 12.305. Se os organizadores conseguirem arrecadar o valor, a peça ficará exposta no Museu de Geodiversidae da UFRJ, no campus da Ilha do Fundão. O artefato tem mais de 90% de ferro, 7,5% de níquel, 0,58% de cobalto e 0,5% de enxofre, composição faz dele faça com que seja classificado como um item não grupado.

O meteorito Campinorte tem 1,5 metro de largura e 76 centímetros de altura. Em outros momentos, ele chegou a ser oferecido por um milhão de dólares, o que inviabilizou as negociações. O valor é R$ 350 mil. A diferença, de R$ 50 mil, é para o transporte, encarecido devido ao peso da peça.

A professora Elizabeth Zucolotto, especialistas em Ciência Meteorítica no Brasil, astrônoma e pesquisadora do Museu Nacional da UFRJ, atestou a relevância científica do meteorito e participa da campanha de arrecadação.

“Não há outro meteorito com as características dele no mundo. Por essa composição, ele é um item não classificado. Gostaríamos muito que ele ficasse no Brasil. Se não conseguirmos atingir esse valor, é provável que ele vá para fora do país, algo que todo mundo lamenta quando acontece, mas poucos se dispõem a contribuir para evitar esse destino”, afirma.

Inicialmente, foi proposta a compra do meteorito pelo Museu Nacional, o maior de história natural do país, que precisará investir em novas coleções após o incêndio que destruiu seu prédio histórico e boa parte do acervo em setembro de 2018.

No entanto, por sua natureza resistente, a coleção de meteoritos não sofreu danos. Assim, os recursos serão destinados prioritariamente para áreas mais impactadas pela tragédia e para a recuperação do espaço físico. Assim surgiu a ideia de levá-lo pelo Museu de Geodiversidade, por meio de um financiamento feito pela Coppetec.

“Eu sou do Museu Nacional, mas minha causa é a Ciência Meteorítica. O importante para nós é que ele fique no Brasil, e que possa ser estudado. Em qual museu vai ficar, para mim, não faz muita diferença”, conclui a pesquisadora.

Informação da CNN Brasil.

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!