TJGO fecha parceria com a plataforma Consumidor.gov.br para acordos em relações de consumo

92

Um serviço público, gratuito e disponível pela internet tem auxiliado cidadãos e empresas a resolverem problemas surgidos durante a relação de consumo de forma rápida e desburocratizada. É a plataforma Consumidor.gov.br, gerida pela Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça, com quem o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) firmou um acordo de cooperação técnica. O termo foi assinado pelo presidente do TJGO, desembargador Walter Carlos Lemes, e pela secretária daquele órgão nacional, Juliana Oliveira Domingues. No site do TJGO, o link para acesso está disponível na página da Conciliação e Mediação, em Conciliar e Mediar Digital.

O acordo prevê a promoção conjunta de ações para incentivar a participação das empresas no Consumidor.gov.br e o uso da ferramenta pelos consumidores, como um canal alternativo para solução de conflitos de consumo, para redução e prevenção de litígios judicializados. Além de divulgar a plataforma para os consumidores, o Judiciário goiano deverá apoiar a adesão de novas empresas, sobretudo as grandes litigantes no Estado.

Diversas empresas, de mais de 40 segmentos do mercado, participam da plataforma, como bancos e administradoras de cartão, energia, água e saneamento, restaurantes, comércio eletrônico, fabricantes de bens móveis, serviços de saúde, vestuário, transporte e turismo. De acordo com informações da plataforma, 80% das reclamações registradas no Consumidor.gov.br são solucionadas pelas empresas, que respondem as demandas dos consumidores em um prazo médio de sete dias.

No TJGO, o acompanhamento, avaliação e supervisão da plataforma ficará sob a responsabilidade do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Soluções e Conflitos (Nupemec). “O Judiciário deverá orientar os cidadãos e as empresas sobre a finalidade e o funcionamento do Consumidor.gov.br. É uma facilidade, de forma on-line e rápida, o consumidor pode ter seu problema solucionado, sem precisar acionar a Justiça, e sem gastar tempo e recursos financeiros”, explica o juiz coordenador do Nupemec, Romério do Carmo Cordeiro.

Informação do Portal Rota Jurídica.

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!