Mesmo inadimplente, aluna garante trancamento de matrícula e indenização em virtude da negativa de suspensão do contrato com universidade

127

Uma aluna conseguiu, na Justiça, trancar sua matrícula em uma instituição de ensino superior (IES), mesmo com mensalidades vencidas e não quitadas. Ela também garantiu o direito a indenização por danos morais no valor de R$ 5 mil em decorrência da negativa de trancamento. Ela teve de recorrer ao Judiciário pois a Universidade Salgado de Oliveira (Universo) se negava a atender o pedido devido a inadimplência. Ela cursava o 3° período do curso de Fisioterapia.

O advogado Marcio André Alves Francisco Marques conta que a estudante teria procurado a secretaria da instituição, que se recusou a efetuar o trancamento da matrícula, bem como a abrir o respectivo processo administrativo, sob o argumento de que a medida somente seria possível com o adimplemento das parcelas em atraso. No entanto, segundo ele, a jovem encontra-se desempregada e que por isso não possui condições financeiras para efetuar a quitação.

Ele apontou que a aluna pedia o trancamento pois caso se mantivesse matriculada até o fim do semestre, isto aumentaria sua dívida significativamente e implicaria em previsão de remuneração por um serviço que não será prestado, pois ela já não frequenta as aulas desde o dia 01 de outubro de 2019.

Em virtude da negativa, foi ajuizada ação de obrigação de fazer c/c indenização por danos morais e pedido de tutela de urgência antecipada. Quem analisou o caso foi o juiz da 30ª  Vara Cível de Goiânia, Willian Costa Mello. Ele afirmou que se considera nula toda cláusula contratual que condiciona o trancamento de matrícula de instituição de ensino
superior ao pagamento de mensalidades em atraso do período semestral em que se requeira o trancamento.

Para o magistrado, tal prática constitui penalidade pedagógica vedada pelo nosso ordenamento jurídico, conforme elencado no 6o da Lei 9.870/99, que dispõe sobre o valor total das anuidades escolares e dá outras providências. Conforme o preceito legal, são proibidas a suspensão de provas escolares, a retenção de documentos escolares ou a aplicação de quaisquer outras penalidades pedagógicas por motivo de inadimplemento, sujeitando-se o contratante, no que couber, às sanções legais e administrativas, compatíveis com o Código de Defesa do Consumidor, e com os arts. 177 e 1.092 do Código Civil Brasileiro, caso a inadimplência perdure por mais de noventa dias”.

Mello também apontou que, apesar de ter direito de receber os valores que lhe são devidos, não pode a IES lançar mãos de meios proibidos por lei para tanto, devendo se valer dos procedimentos legais de cobranças judiciais. Em virtude disso, o juiz julgou pertinente não só a solicitação de trancamento da matrícula, mas também o pedido de reparação moral, que foi arbitrado em R$ 5 mil. Da decisão, no entanto, ainda cabe recurso. [Informações do Portal Rota Jurídica].

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!