Por suspeita de corrupção, Justiça paralisa obra de hospital em Alto Horizonte

2.016

O juiz da Comarca de Campinorte, Hugo de Souza Silva, acatou Ação Popular e suspendeu a execução dos contratos do Município de Alto Horizonte com as empresas COMARQUES CONSTRUTORA E ARQUITETURA e CAMPOS & VALENTE CONSTRUTORA LTDA, contratadas para elaborar e acompanhar projetos de arquitetura, e execução de serviços/obras de construção do Hospital Municipal da cidade. Leia a íntegra aqui.

Segundo narrou a ação protocolada pela munícipe Lauanda Peixoto Guimarães, o projeto foi montado no intuito de burlar a lei de licitações e cometer fraudes, pois o processo foi aberto em 2019, contudo, o município usou a Emergência em Saúde provocada pela pandemia da Covid-19 para erguer um hospital, que já tinha empresa contratada um ano antes, para aproveitar o estado de emergência e não realizar a disputa de licitação.

Embora anunciada em meio à pandemia pelo prefeito Luiz Borges (PSD), dia 09 de junho, a obra do hospital para 40 leitos a um custo de R$ 10 milhões seria um hospital para saúde regular, não sendo, portanto, um hospital de campanha exclusivamente destinado ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus sem, com isso, a necessidade de atropelo à lei das licitações que garantem o menor preço, livre concorrência e reduzido potencial de danos ao erário.

“Após a divulgação da intenção de realizar a obra a municipalidade celebrou contrato com a empresa COMARQUES CONSTRUTORA E ARQUITETURA – no valor de R$ 76.103,20, via dispensa de licitação, para elaboração do projeto de arquitetura do hospital. Ressalta que o referido projeto arquitetônico foi cadastrado no CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo) no dia 05/09/2019, muito antes da contratação da empresa (29/05/2020), ocorrendo, ainda, uma retificação do projeto, em 17/04/2020”, explica na sentença.

Os documentos juntados pela ação popular demonstra que a empresa do projeto ao juntar ao CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo), no dia 05/10/2019, deixa claro a intenção da gestão de “construir o hospital muito tempo antes do início do período de disseminação da Covid-19”, diz. Depois do registro do projeto junto ao CAU, a empresa promoveu ainda alterações ao projeto, e protocolo junto ao Corpo de Bombeiros Militar, “visando a obtenção de alvará de conformidade, confirmando que antes mesmo do início do procedimento de dispensa de licitação para a contratação da obra, o Município de Alto Horizonte já projetava construir um hospital de caráter definitivo, que não tinha por finalidade atender emergencialmente os casos de Covid-19”. Confira alguns dos documentos no final da matéria.

“Ademais, o contrato, juntado aos autos, foi assinado no dia 29/05/2020 (sexta-feira), apenas uma semana depois do início do procedimento de dispensa de licitação, havendo notícias de que as obras se iniciaram nesse mesmo dia, o que também contribui com os indícios de que o Município de Alto Horizonte aproveitou-se do período de epidemia de Covid-19 para direcionar o objeto do contrato a uma empresa determinada, haja vista que também não é razoável imaginar-se que uma construtora que não tinha informações privilegiadas consiga mobilizar equipamentos e mão de obra para iniciar a construção de um hospital apenas 3 dias depois de saber que seria contratada pelo poder público”.

Corrobora às suspeitas, o fato de a empresa de arquitetura contratada ter feito a solicitação, junto a 11º Companhia Independente de Bombeiros Militar, para análise de projeto do referido hospital em 22/04/2020, ou seja, 15 dias antes de ser contratada para a prestação dos serviços de elaboração do projeto de arquitetura. Informa que foi contratada para a execução da obra a empresa CAMPOS e VALENTE CONSTRUTORA LTDA, com início da obra em 29/05/2020, constando, inclusive, com divulgação em redes sociais, sem haver qualquer informação referente a formalização da contratação. “Alude, também, a inexistência de informações no Portal da Transparência do Município de Alto Horizonte/GO sobre o empenho ou contrato. Elenca que a referida obra, além de haver iniciado antes da obtenção do alvará de autorização do Corpo de Bombeiros, está sendo construída em terreno pertencente ao Estado de Goiás”, complementa.

Na decisão o magistrado veda “qualquer atividade relativa à medição, liquidação ou pagamento relativo aos objetos destes contratos, até final decisão deste processo ou eventual revogação ou modificação desta medida antecipatória”. O magistrado lembra, ainda, que toda e qualquer obra a ser realizada pelo Poder Público deve ser precedida de ato licitatório, “salvo em raríssimas exceções, previstas em Lei, especialmente quando não há possibilidade de concorrência (hipóteses de inexigibilidade de licitação) e nas situações de urgência, que permitem a dispensa do procedimento licitatório prévio”, o que não era o caso conforme as provas apontadas que evidenciam uma obra que não tinha como propósito atender a situação de emergência em saúde pública.

PG tentou contato, mas assim que o assunto foi divulgado o setor de comunicação da prefeitura desligou e não atendeu mais as chamadas da reportagem.

*Com a informação do Poder Goias.

 

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!