Bolsonaro e Ronaldo Caiado inaugura hospital de campanha em Goiás

Estrutura é a primeira unidade a ser construída pelo governo federal. Hospital começa a funcionar com 60 leitos, sendo dez de UTI

174

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou a Águas Lindas de Goiás, no Entorno do Distrito Federal, para a inauguração do Hospital de Campanha nesta sexta-feira (5). Ele não usava máscara e, ao se dirigir ao local da cerimônia, caiu ao tropeçar em uma mangueira.

A unidade foi a primeira a ser construída pelo governo federal e repassada para a administração estadual, que equipou os leitos, que vão atender pacientes com coronavírus na região.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, até esta manhã, a cidade tem 297 casos confirmados e seis mortes por Covid-19. A previsão é que o hospital já comece a funcionar ainda nesta sexta-feira.

O presidente chegou de helicóptero acompanhado dos ministros general Eduardo Pazuello, general Braga Netto e Marcos Pontes. A inauguração também é acompanhada pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e pelo secretário de Saúde, Ismael Alexandrino.

Construção custou cerca de R$ 10 milhões. Ele foi anunciado no dia 7 de abril e concluído de 23 do mesmo mês. Porém, ele só foi transferido um mês depois.

O hospital tem capacidade para 200 leitos, mas começará a funcionar com 60 vagas, sendo 10 de UTI. Apenas pacientes encaminhados por outras unidades de saúde poderão dar entrada.

O governo estadual contratou uma organização social para gerir o hospital por seis meses. O governo vai repassar R$ 7,6 milhões por mês.

Além da construção, o governo federal também vai arcar com o aluguel e manutenção da estrutura física. Já a Secretaria Estadual de Saúde é a responsável por organizar toda operação da unidade, fornecimento de insumos como medicamentos e equipamentos de proteção, além de todos os aparelhos médicos necessários.

Manifestações

Durante seu discurso, o presidente Jair Bolsonaro voltou a comentar os atos organizados por manifestantes autodenominados antifascistas e contrários ao governo que estão marcados para o fim de semana. Para Bolsonaro, esses manifestantes são “grupos de marginais, terroristas querendo se movimentar para quebrar o Brasil”.

“Geralmente são marginais, terroristas, maconheiros, desocupados, que não sabem o que é economia, o que é trabalhar para ganhar o seu pão de cada dia e querem quebrar o Brasil em nome de uma democracia que nunca souberam o que é e nunca zelaram por ela”, disse.

Ainda segundo o presidente, a equipe de inteligência do governo federal não identificou grupos se movimentando para manifestações em Goiás, mas disse que, se houver, tem certeza que o governador Caiado vai tratá-los “com a dureza da lei que eles merecem”. E pediu para que manifestantes quem apoiam seu governo não compareçam às ruas.

“O outro lado, que luta pela democracia, que quer o governo funcionando, um Brasil melhor e preza pela sua liberdade, que não compareçam às ruas nesses dias, para que as forças de segurança, não só estaduais, bem como a nossa federal, façam seu devido trabalho se por ventura esses marginais extrapolem os limites da lei”, disse.

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!