Exploração de terras raras vai gerar mais de sete mil postos de trabalho em Minaçu

Estado de Goiás concluiu licenciamento ambiental de mineradora que já está apta a contratar pessoas. Serra Verde investirá R$ 580 milhões no município. “O minério que sai de Minaçu vai voltar a gerar renda e qualidade de vida à população”, diz Caiado

2.212

Uma nova perspectiva se desenha no horizonte para a população de Minaçu, no Norte do Estado. O Estado de Goiás cumpriu com todas as etapas de licenças ambientais da empresa Serra Verde Pesquisa e Mineração, que vai explorar terras raras no município. “A partir de agora, a empresa já pode contratar as pessoas. É uma das exigências que faço sempre, de atender a mão de obra local. Estamos respondendo com rapidez e celebridade à população de Minaçu, e devo isto à equipe de governo, que abraçou a causa”, destaca o governador Ronaldo Caiado.

Crédito da imagem: site do Senado Federal

O último passo foi dado no dia 21 de maio, com a emissão da autorização de supressão da vegetação local onde se dará a instalação da empresa, que será reposta com todo cuidado e seguindo recomendações da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). “O minério que sai de Minaçu vai voltar a gerar emprego, renda e, consequentemente, qualidade de vida à população local. Com todo respeito ao meio ambiente, garantindo aos cidadãos o acesso ao emprego, que é o maior programa social do mundo”, ressalta Caiado.

A Serra Verde Pesquisa e Mineração investirá cerca de R$ 580 milhões, gerando ao longo dos 18 meses de implantação, mais de 1,5 mil empregos diretos e seis mil indiretos. Desde 2013, a empresa estava com o pedido de licença, mas nunca tinha obtido uma resposta. A previsão era que mineradora entrasse em operação em 2017, o que não ocorreu. Antes mesmo do investimento para a implantação do empreendimento, a mineradora havia aplicado em Minaçu mais de US$ 70 milhões em pesquisas sobre os minerais presentes na região.

O grupo de elementos conhecido como “terras raras” (ETR) é composto de 17 elementos químicos utilizados na indústria de ponta e que podem ser usados em várias aplicações, como: produção de ímãs de alta potência (usados na geração de energia limpa, como turbinas eólicas e carros elétricos), catalisadores na indústria de petróleo, equipamentos médicos (ressonância magnética), lasers médicos, produção de luminescentes para a indústria óptica eletrônica e fabricação de supercondutores.

O anúncio e processo para regularização da instalação da Serra Verde Pesquisa e Mineração se deu em junho do ano passado imediatamente após o fechamento da mineradora Sama, em Minaçu, que extraía o amianto crisotila. Caiado fez questão de ir pessoalmente ao município fazer a entrega da licença à Serra Verde, juntamente com a titular da Semad, Andrea Vulcanis. A cidade, que nasceu junto com a empresa que explora a mina de amianto, sofreu os impactos da decisão judicial, tomada pelo Supremo Tribuna Federal (STF), que interrompeu os trabalhos da Sama e inviabilizou a economia da cidade, afetando o sustento de milhares de famílias que residem no município.

Em 17 de setembro do ano passado, foi emitida licença de instalação referente a  lavra a céu aberto; pilha de resíduos; unidades de apoio: portaria, área fiscal, prédio administrativo, vestiário, ambulatório, restaurante, área de pesquisa e desenvolvimento, oficina de veículos e escritório, oficina da planta, salas elétrica, laboratório e de controle, galpão de resíduos, almoxarifado, ponto de abastecimento de combustível e estação de tratamento de efluentes oleosos. Em março de 2020, foi emitida autorização de supressão para a área da estrada de acesso, adutora e linha de distribuição de energia. Em abril, saiu a licença de instalação referente a estrada de acesso, adutora e linha de distribuição de energia.

Titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Inovação (Sedi), Adriano da Rocha Lima, considera Minaçu “uma cidade privilegiada”. “O município explorava amianto, que foi proibido, e agora descobre a existência de terras raras. Isto vai levar um desenvolvimento para o Norte do Estado de Goiás nunca antes visto, com uma exploração muito maior do que foi a de amianto”, projeta Adriano. Segundo ele, a indústria é uma exploração do futuro no Brasil, com o que há de mais moderno e inovador.

Com a descoberta da jazida de Minaçu, o Brasil tem tudo para despontar internacionalmente, tornando-se uma das maiores jazidas de terras raras do mundo, concorrendo diretamente com a China, até então a maior existente. E, a Serra Verde tem um importante diferencial: a técnica de exploração utilizada retira os elementos da terra sem prejudicar a natureza. “Uma ideia extremamente inovadora, utilizando sal de cozinha misturado à água, conseguindo separar os elementos sem poluir o ambiente, diferente do que acontece na China”, explica o titular da Sedi.

Enquanto o processo para regularização da mineradora transcorria, o Governo de Goiás buscou diversificar oportunidades, agregando novas ideias para auxiliar no processo de restabelecimento da economia local. A presidente de honra da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) e coordenadora do Gabinete de Políticas Sociais (GPS), primeira-dama Gracinha Caiado, esteve em Minaçu no começo do ano, onde fez a entrega de 32 tanques e de 15 mil alevinos, a pequenos produtores de tilápia da Associação de Aquicultores do Parque Aquícola Conquista (AAQUIPAC). Na ocasião, Gracinha reforçou que o Estado daria o apoio necessário à população de Minaçu e afirmou que “não podemos cruzar os braços. Temos que trazer a oportunidade para que vocês possam trabalhar e fazer com que Minaçu seja referência em Goiás”.

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!