Banco do Brasil é condenado a indenizar cliente em R$ 9 mil por encerramento unilateral de conta

217

O Banco do Brasil foi condenado a indenizar, em R$ 9 mil, um correntista que teve a conta encerrada de forma unilateral. A 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais confirmou sentença de primeiro grau em que foi arbitrado o valor pelos danos morais sofridos. Os magistrados seguiram voto do relator, juiz Fernando Ribeiro Montefusco. O cliente da instituição financeira foi representando na ação pelo advogado Joel Rodrigues Vidigal.

Conforme relatado no autos, a conta em questão pertencia a uma empresa de especializada em fornecimento de produtos e equipamentos hospitalares, que tem como seu principal ramo de atividade a participação em licitações. O correntista explica que, após ter limitado os benefícios de transferências de valores, o banco decidiu encerrar, de forma unilateral, a referida conta, com a retenção de valores que estavam depositados.

Além disso, que ficou sem acesso ao dinheiro preso junto à conta, não pode receber os valores dos contratos, e ainda, ficou impossibilitado de fazer qualquer pagamento, seja de funcionários seja de outros compromissos. Em sua defesa, o banco não apresentou nenhum documento acerca do cancelamento, limitando-se a alegar que o “Banco/Instituição Financeira não é obrigado a abrir ou manter uma conta”.

Em primeiro grau, o juízo entendeu que, ainda que possua a instituição financeira o direito de decidir pela manutenção das contas, é certo que tal possibilidade não lhe garante afrontar o princípio da boa-fé e seus deveres anexos. E que a conduta da resultou na ausência de recebimento de valores pendentes, o que gerou prejuízos ao correntista.

Recurso
Ao indeferir o recurso do banco, o relator explicou que, a despeito de à instituição financeira ser facultado o encerramento unilateral da conta bancária, não poderá fazê-lo sem antes promover a notificação do cliente. O referido encerramento é procedimento formal de rescisão contratual, que deve preceder a comunicação prévia, por escrito, da intenção de por fim à relação contratual, conforme resolução Bancen.

Conforme o relator, o encerramento unilateral de um relacionamento bancário sem qualquer fundamentação é situação que ultrapassa o mero aborrecimento, violando os direitos de personalidade da reclamante. Disse que foi configurada a falha na prestação do serviço, pois o banco contrariou os limites do seu fim econômico e social, a boa-fé e os “bons costumes”.

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!