Coronavírus: A pedido do MP, juiz proíbe mulher que teve contato com doente de sair de casa em Jaraguá

238

Atendendo a pedido de liminar formulado pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO), por intermédio da 1ª Promotoria de Justiça de Jaraguá, o juiz Liciomar Fernandes da Silva, da Vara das Fazendas Públicas da comarca, proibiu mulher diagnosticada com Covid-19 de sair de sua residência pelo prazo estipulado pela Secretaria Municipal de Saúde. Determinou ainda que ela se submeta a coletas de amostras clínicas e exames laboratoriais, caso necessário, e que a Delegacia de Polícia de Jaraguá instaure inquérito em desfavor da mulher pela prática da conduta descrita no artigo 268 do Código Penal (Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa). Foi fixada multa diária de R$ 5 mil, em caso de descumprimento pelo município, limitada a R$ 20 mil.

Na ação civil pública, com obrigação de fazer, o promotor de Justiça Everaldo Sebastião de Sousa, em substituição na 1ª Promotoria de Justiça, argumentou ter recebido informações do secretário municipal de saúde de que a mulher manteve contato com paciente que foi diagnosticado com Covid-19 e que, segundo denúncias anônimas encaminhadas à Secretaria Municipal de Saúde, esta tem sido vista circulando pelas ruas da cidade e que se nega a cumprir as normas do isolamento social, mesmo tendo sido orientada neste sentido.

O promotor de Justiça alegou que foi declarada Emergência em Saúde Pública de Interesse Internacional, em janeiro deste ano, e de pandemia do novo coronavirus, em março, pela Organização Mundial de Saúde, e houve o reconhecimento pelo Ministério da Saúde de existência da transmissão comunitária pela doença em todo o território nacional, a indicar a necessidade de adoção de providências por todos os gestores visando promover o distanciamento social e evitar aglomerações, objetivando a contenção da circulação do vírus. Afirmou também que a medida de isolamento domiciliar é absolutamente necessária, diante de tais circunstâncias, bem como é protocolo para tratamento e a não propagação da Covid-19, o que está sendo injustificadamente frustrado pela mulher.

Ao proferir a decisão, Liciomar Fernandes citou a Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Constituição Federal, que indicam direitos dos cidadãos. Segundo o magistrado, a saúde é um dos caminhos a chegar a uma vida com dignidade e “porque não dizer, a própria razão de viver”. Para ele, a mulher está acometida de um vírus que vem causando problemas à saúde de inúmeras pessoas no País e que muitos desses problemas são desconhecidos pela comunidade médico-científica, mas que já provocou a morte de inúmeras pessoas em no Brasil e no mundo.

O magistrado afirmou que as pessoas têm o direito de ir e vir, à saúde, à vida e a viver com dignidade, até mesmo de não ser infectado por um vírus. No entanto, a mulher, mesmo contaminada e encaminhada para tratamento, inclusive com recomendação de quarentena por médico habilitado, acaba por desequilibrar tais direitos. “Qualquer indivíduo tem o direito de fazer o que bem quiser da sua vida, desde que não coloque a vida de outra pessoa em perigo, desde que não infrinja o direito de outra pessoa, pois, na democracia, é assim, o seu direito será amplo e irrestrito até que não invada o direito de outra pessoa”, escreveu.

Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

× Sugestão de pauta ou denúncias!